sexta-feira, 8 de março de 2013

Mulheres em Preto & Branco 05

Mulheres em Preto & Branco 05 a máscara não esconde nem se esconde quem a usa e se expõe quem abusa de não ser seu próprio ser. máscara, forte espartilho disfarça em nós e laços linhas, rendas, seda, brilho busto, cintura em finos traços. a máscara não esconde nem disfarça a máscara responde débil farsa... gabriel m. ribeiro 24 / 06 / 11

Mulheres em Preto & Branco 04

Mulheres em Preto & Branco 04 morena menina menina não marina menina apenas apenas morena de olhar menino pequeno profundo. olhar arfante pelo lábios secos cegos pelo beijo esperado não dado não roubado beijo gosto saudade. gabriel m. ribeiro 23 / 06 / 11

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Mulheres em Preto & Branco 03

gabriel m. ribeiro


curvas para serem beijadas
lambidas
lambuzadas
luxuriadas
curvas para suave deleite
delícias
desejáveis
delicadas
curvas forma de aconchego
apegos
chamegos
sossegos...

curvas de assombros
apenas curvas
sonhos em escombros
seus ombros.

13 / 06 / 11

Mulheres em Preto & Branco 02

gabriel m. ribeiro

pedra
olhar duro
perda
olhar maduro
fundo
olhar desnudo
findo
olhar despido
fosco
olhar silente
tosco
olhar somente...

13 / 06 / 11

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Mulheres em Preto & Branco 01

gabriel m. ribeiro


Os mistérios dos seus olhos
balbuciam
como os doces dos seus lábios
denuciam
que os loucos amores
anunciam
e os consumidos prazeres
denunciam
as nossas boas felicidades!

gabriel m. ribeiro
10 / 06 / 11

* Este trabalho basea-se em uma foto obtida da Internet.
Caso tenha interesse em vê-la, envie um email.

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Adeus Ano Velho

Adeus Ano Velho
gabriel m. ribeiro

Não te quero mal, pois foi com você que vivi as boas emoções e experimentei também alguns dissabores do trajeto da vida.

Não vou te desprezar, pois foi com você que descobri novas verdades e reciclei muitas das já existentes.

Não vou te esquecer, pois foi com você que esperei pelo ano novo e pude pleitear sua aposentadoria.
Vai com Deus e volte em breve.

Janeiro 2012
gabriel m. ribeiro

sábado, 26 de novembro de 2011

Como Castigo: Comer Jiló!

gabriel m. ribeiro
A memória repassa por estreitos corredores e escadas de uma casa de dois andares da Rua Cândido Gaffrée, onde outrora funcionou o Externato Cristo Redentor.
Uma escola que só atendia ao antigo curso primário - Jardim de Infância até à 4ª série.
Em sua direção as Irmãs Braga Furtado, D. Yvone e D. Yolanda, ambas já falecidas.
D. Yvone era uma liderança comunitária, e seus alunos recebiam rigorosa formação acadêmica e cívica. Muito religiosa, impunha às turmas, em formação no pequeno pátio frontal, além do hino nacional, as orações diárias.
Indisciplina não cabia dentro daquele colégio, pois D. Yvone reprimia com austeridade desde o início e esta não encontrava espaço para vingar.
Como curiosidade, entretanto, havia a punição que ela aplicava para quem ‘aprontasse’ mais do que o normal: a família era comunicada que o aluno ficaria na escola e almoçaria na casa dela. O “menu-castigo” seria: ensopado de jiló!
Qual nada, os poucos que sofreram esta penalidade almoçavam na verdade um belo bife, com batatas fritas e sorvete de sobremesa, mas com uma condição imperativa: teriam que confirmar a história do jiló para os demais (em uma cumplicidade secreta com ela). Demorei muito a saber disto.
Assim, D. Yvone e D. Yolanda lideraram esta maravilhosa instituição educacional com brilhantismo, até que a funesta Lei 5692/71, desorganizou a vida de inúmeras escolas que, como essa, só comportavam fisicamente o antigo curso primário.
Foi um duro golpe, a escola sofreu, as irmãs também e a comunidade perdeu um ícone da educação dos anos 50/60.
Mas com a missão cumprida, creio que as irmãs devem estar dando jiló para os anjos e serafins...

RJ, 25 / 07 / 08